ANDES NO PEDAL - Viagem de bicicleta por Leandro Wieczorek



O deserto mais árido do mundo situado no norte do Chile é um espetáculo a parte com diversas faces. Desde São Pedro de Atacama seguindo pela RUTA 5 Panamericana até La Serena, foram 1039 km pedalados entre regiões completamente desérticas e semi-desérticas e mais uns 300 km de carona devido a problemas com a bicicleta e alimentação. O Atacama pode ser cruzado inteiramente por asfalto mas é bastante difícil devido ao clima. O ar é completamente seco, em alguns lugares a umidade é 0%, a noite é bastante fria com temperaturas de + ou - 5°C e durante o dia ela beira os 40°C, porém como é muito seco, esse calor é mais confortável. O sol impera e não há sombras para descansar, os ventos quentes e frios assolam o deserto. As melhores horas para pedalar são das 5h da manhã até às 10h quando o sol esquenta e começam os ventos fortes vindos de sul tornando o esforço triplicado. Por todo lado existem minas de cobre, prata, ouro e outros vários metais, pequenos povoados e suas casas de compensado e zinco abrigas as famílias mineiradoras. E as montanhas peladas e murchas são o seu cartão postal. O trecho compreendido entre Antofagasta e Chañaral é extenso, quase 500 km e não há quase nada pelo caminho, só o deserto mais árido do mundo, a partir de Chañaral, uma vegetação rasteira começa a brotar.

 

 

"Dormia ao relento, nas entranhas da natureza morta. Não custa nada e é mais luxuoso"

O caso é que no Atacama a humidade é tão baixa que é possível dormir ao relento sem ficar ensopado com o sereno. Utilizava o isolante térmico, dois sacos de dormir e um gorro de lã. Sempre procurava me abrigar atrás de pedras ou qualquer obstáculo que de proteção contra o vento e a poeira. Acordava antes do sol nascer e dava início a mais um dia de trabalho duro.

 

 

2000 - 2012 - Andes no Pedal - andesnopedal@hotmail.com

www.zorek.com.br